Entrevista com Técnico de Informática da Escola Secundária Padre António Martins de Oliveira de Lagoa

Bom dia caríssimo Nuno, técnico de informática na Escola Secundária Padre
António Martins de Oliveira
. Sabemos que a escola iniciou recentemente a migração de todos os seus sistemas para software livre, correcto?

Quero, desde já, salientar que fui transferido para a ESPAMOL (Escola Secundária Padre António Martins de Oliveira de Lagoa) em meados de Agosto de 2008, sendo que os novos projectos que desenvolvi, a partir desta data, foram todos implementados com software livre. Sendo que os sistemas já existentes com software proprietário ainda não foram sujeitos a migração. Contudo, no futuro próximo, o objectivo é fazer a migração da maior parte dos sistemas já existentes com software proprietário para software livre.

Os novos projectos por mim implementados com software livre são:

  • Inventário – permite inventariar todo o parque informático da escola de forma automática
  • Cópias de segurança – serviço inexistente anteriormente e que permite a salvaguarda da informação
  • Página da Internet (www.espamol.pt)
  • Sistema Proxy – permite a monitorização e a gestão dos conteúdos de acesso à Internet
  • Sistema de imagens – permite a instalação e configuração, num período curto de tempo (poucos minutos), de um computador com todo o software necessário para o seu funcionamento
  • Sistema de criação de documentos em formato PDF
  • Sistema de controlo de impressões na rede de alunos – permite identificar qual o utilizador da impressão, o nome do documento impresso, a hora da impressão, o número de páginas e de cópias impressas, a impressora e o computador onde foi gerada a impressão e a respectiva cor da impressão
  • Página de Intranet – permite o acesso aos serviços supracitados tendo em conta o utilizador. Por exemplo, o Conselho Executivo tem acesso a todos os serviços enquanto os alunos têm acesso a conteúdos limitados. Esta página permitiu ainda a redução de custos a nível do papel utilizado, dado que muitas da solicitações anteriormente efectuadas em papel são agora feitas online
  • Servidor UT (Unreal Tournament) baseado em software livre (http://openut.sourceforge.net/) – permite que, no dia livre, os alunos possam realizar uma lan party

Consegue-nos fazer um retrato do parque informático antes da migração e dar-nos uma ideia das suas principais fraquezas… estamos curiosos em particular com dois aspectos, segurança e custos de licenciamento com software, anualmente… ? De que forma a implementação de software livre veio resolver essas fraquezas?

Como respondi anteriormente ainda não procedemos à migração do sistema informático para software livre (o que prevemos fazer num futuro próximo), mas procedeu-se à implementação dos novos projectos já em software livre. As vantagens desta implementação foram:

  • Na área da segurança, as vantagens prendem-se com a instalação e a configuração desde que o software tenha sido devidamente implementado
  • Por sua vez, na área dos custos, esta implementação teve um custo zero, uma vez que não é requerido licenciamento para software livre. Inclusive, é de salientar que foi utilizado um computador já existente para a implementação dos referidos projectos, dispensando assim a compra de novo hardware.

Quando é que iniciaram a migração e quanto tempo demorou a implementar? Está completa ou ainda têm projectos a desenvolver? Se sim, quais e com que objectivos?

A implementação dos novos projectos com software livre começou quando fui transferido para a ESPAMOL em meados de Agosto de 2008 e terminou em finais de Janeiro. A migração de alguns serviços já existentes está prevista para Agosto do corrente ano, assim como a implementação de outros novos projectos que têm como objectivo uma melhor gestão dos recursos existentes, nomeadamente a rede Wireless e o tráfego da Internet. Um dos novos projectos a implementar a médio prazo é a criação de uma imagem com os projectos já desenvolvidos e a sua disponibilização na Internet, possibilitando assim que qualquer estabelecimento de ensino interessado nestes projectos a possam implementar.

Segundo sabemos, instalaram software livre a nível de sistemas operativos e de aplicações de produtividade. A adaptação de professores e alunos foi fácil ou existiram muitas resistências?

Na ESPAMOL, existem oito computadores de acesso aos professores e alunos com software livre (ubuntu) e foi instalado recentemente, a nível de um servidor, um sistema operativo open suse (onde foram implementados todos os projectos acima mencionados). Podemos considerar que a adaptação, por parte dos professores e alunos, a este tipo de sistemas operativos foi fácil, uma vez que as diferenças entre o software livre e o proprietário são mínimas.

A nível dos computadores usados pela Secretaria, foram também eles migrados? Esta questão vem a propósito dos programas de gestão escolar, dos quais o Ministério da Educação exige certificação, e que habitualmente não são multiplataforma…

Não. Cabe-me a mim apenas a gestão da rede de alunos, sendo da responsabilidade de uma empresa externa a gestão dos computadores usados pela Secretaria que utilizam software proprietário. Porém, saliento que seria viável a utilização de software livre nestes computadores desde que os programas de gestão escolar fossem multiplataforma, o que não se verifica actualmente.

Um pequeno desafio… Vamos imaginar que se poderia sentar à mesa com
os responsáveis do Plano Tecnológico para a Educação. Quais seriam as
primeiras sugestões que lhes faria a nível de:

  • melhorar o ensino das TIC em Portugal
  • melhorar a gestão do parque informático escolar

Para melhorar o ensino das TIC e a gestão do parque informático escolar em Portugal (a e b) seria importante:

A utilização generalizada de software livre em todos os programas escolares, uma vez que reduzir-se-ia substancialmente os custos (já que o mesmo é gratuito e não exige tantos recursos em termos de hardware como o software proprietário), e consequentemente alargar-se-ia o parque informático das escolas, permitindo o seu acesso a uma maior número de professores e alunos. Para além disso, é importante frisar que capacitar os alunos com este software permitir-lhes-ia, fora da escolas e a nível pessoal e profissional, a possibilidade de optar entre um software gratuito, seguro e de fácil utilização e um software pago, que não está ao alcance de todos, conduzindo assim, na maior parte das vezes, a práticas ilícitas geralmente denominadas de “pirataria”.

Obrigado pelo seu tempo e votos de sucesso para a ESPAMOL

Deixamos ainda ligações para mais alguma informação relativa à ESPAMOL:

Deixar uma resposta