Entrevista com os criadores do GeoDádivas

Boa tarde, caríssimos Ricardo e Juliano. O vosso projecto no SAPO Summerbits consistia num sistema de visualização em mapa das dádivas de sangue em Portugal.

De onde surgiu a ideia deste projecto e a motivação para o mesmo?

A partir de um trabalho na disciplina de Sistemas de Informação do Mestrado de Informática Médica da Universidade do Porto. Neste trabalho participaram outros dois colaboradores Jorge Leal (Técnico em Análises Laboratoriais, funcionário do Instituto Português de Sangue) e João Azevedo (Enfermeiro). Sob a orientação do Prof. Ricardo Correia, acabámos por formar uma equipa multidisciplinar que pode olhar um mesmo problema de diversos ângulos diferentes. A motivação propriamente dita, foi a de auxiliar o Instituto Português de Sangue, no planeamento e gestão dos postos de colecta móveis de sangue, como também no planeamento das suas campanhas de doações, através da visualização de informação em forma georeferenciada num software livre e gratuito. Já existe software que atenderia a essa necessidade no mercado, mas com custos altos.

Que funcionalidades destacam das actualmente disponíveis e quais os principais casos de utilização para o utilizador comum/pessoal médico?

Funcionalidades:

  • Visualizar todas as doações de sangue em Portugal.
  • Possibilidade de realizar filtros, a cada consulta de doações, por: data, localidade, tipos de resultados de análise clínicas, locais onde foram realizadas as colectas, tipos de grupos sanguíneos, sexo, faixa etária.
  • Visualizar os postos de colecta. Também é possível realizar filtros nas consultas dos postos de colecta.

Casos de utilização:

  • Equipa de gestão e planeamento dos postos de colecta móveis pode utilizar a ferramenta para visualizar, de forma geográfica, a posição de cada posto de colecta e as moradas dos seus respectivos doadores. Assim podem definir quais os pontos que foram bem escolhidos e quais os que precisam de ser reajustados.
  • Consoante a necessidade dos bancos de sangue em relação a determinado grupo sanguíneo (A, AB, B, O), podem ser realizadas campanhas em determinadas áreas onde existe predominância de um determinado grupo sanguíneo.
  • A comunidade científica pode utilizar a ferramenta para visualizar a distribuição geográfica de determinadas doenças identificadas pelas análises laboratoriais, em função da amostra dada, neste caso, os doadores de sangue.

Que funcionalidades prevêem implementar no futuro?

  • Calcular as distâncias médias dos doadores até aos postos de colecta que visitam com mais frequência.
  • Mostrar as ligações de um posto de colecta a todos os seus respectivos doadores.
  • Calcular os melhores locais para os postos de colecta.
  • Calcular quais as localidades e os dias melhores para realizar as colectas móveis de sangue.

Provavelmente existe informação médica hoje em dia que carece de visualização geográfica… lembram-se de alguns casos prioritários?

  • Mapear casos de doenças infecto-contagiosas, como gripes, SIDA, Hepatite, etc.
  • Mapear o trajecto e o tempo que os utentes levam até aos postos de atendimento, sejam Centros de Saúde, Centros de Reabilitação, Clínicas, Hospitais. Um médico, fisioterapeuta, ou qualquer outro profissional da saúde pode utilizar essa informação para ter uma visão mais ampla sobre a deslocação dos utentes.

5 milhões de euros nas vossas mãos para implementarem projectos na área das tecnologias livres, por onde começariam?

  • Influenciar os docentes universitários na área da programação a promoverem o envolvimento dos seus alunos nos projectos já existentes.
  • Acções de apresentação / educação sobre os modelos de negócio ligados ao OpenSource.
  • Aquisição das licenças de software que nos seus domínios sejam Standards de facto, transformando-os em OpenSource. Na área da saúde propunha o sistema SONHO que foi desenvolvido no âmbito do Ministério da Saúde (IGIF) e que é usado por 90% dos hospitais públicos portugueses.

Obrigado pela vossa atenção.

Deixar uma resposta